Notícias

Publicidade

SEXTA, 02 DE MARÇO DE 2018 | POR:

Sindicato oferece informações sobre previdência na I Semana das Mulheres Jornalistas

Foto: Keliane Vale

(Ilustração | Sindjor/TO)

Sindicato oferece informações sobre previdência na I Semana da Mulher Jornalista

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Eatado do Tocantins (Sindjor-TO) realizou a abertura da I Semana das Mulheres Jornalistas no Estado com informações às profissionais sobre os direitos de seguridade social e reforma da previdência com a professora Cristiane de Holanda na Universidade Estadual do Tocantins, Unitins. O evento teve início na última sexta-feira, 2, com programações previstas até a próxima quinta-feira, 8.

Na abertura, a presidente do sindicato, Alessandra Bacelar, ressaltou a importância da união dos jornalistas para conquistar espaço enquanto categoria e a valorização tão desejada, e ainda destacou o trabalho e preocupação da gestão em promover momentos de capacitação e conhecimento. "A Semana vem com o desejo de empoderamento das Mulheres Jornalistas que precisam conhecer mais sobre seus direitos, compartilhar experiências fortalecer o papel profissional e o espaço conquistado". Ainda lembrou que esse período é de saudades, das colegas que há um ano se despediram da vida. “Agradecemos a todos aqueles que abraçaram a realização desse evento, e esperamos que agrade a todos que estão disponibilizando tempo para participar" afirmou.

Representante da Comissão de Mulheres da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) no Tocantins, a jornalista Rose Dayanne Santana agradeceu o espaço para a realização de discussões como essa que considera de extrema importância. “Quero muito agradecer a presidência que tem aberto as portas do sindicato para os movimentos sociais, para a universidade e para toda a população com muito trabalho. A Reforma da Previdência é nossa pauta prioritária. Vamos falar sobre isso e tentar fazer esse recorte para a vida das mulheres jornalistas“, destacou.

Rose Dayanne também falou da possibilidade de criação de uma comissão estadual de mulheres jornalistas e se propôs a ouvir as demandas de trabalho. “Não só no Tocantins, mas em outros estados, os sindicatos estão alinhados com os movimentos sociais porque além das nossas pautas enquanto categoria, a gente entende que a nossa demanda chega a outras questões que nos afetam drasticamente. Então não tem como fecharmos os nossos olhos e não ajudarmos a construir”, concluiu.

Dentre as questões levantadas, a palestrante também orientou sobre como se resguardar e denunciar em casos de assédio no trabalho e pela extensão do tema, o sindicato se propôs a discutir mais a questão. A coordenadora do curso de jornalismo da Universidade Federal do Tocantins (UFT), Alice Agnes, debateu essas questões e acrescentou à discussões com dados sobre a mulher jornalista.

Programação

08/03
8h: Atividades na UFT no Hall da Biblioteca
9h: Ato Unificado das Mulheres Tocantinenses - Praça dos Girassóis
17h: Mesa Mulher e Mídia- Auditório do Bloco 3 da UFT
19h: Roda de Conversa "A mulher Jornalista" Auditório do Bloco 3 

    Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros - alterado 5Jornalistas por FormaçãoJornalista de Verdade tem Identidade